Search
Close this search box.

MC Kevin morre após cair do 11º andar de hotel na Barra da Tijuca

Diego Camargo

Diego Camargo

Morreu, na noite deste domingo (16/5), o cantor MC Kevin, aos 23 anos. O músico havia sofrido um acidente enquanto estava hospedado em um hotel próximo à praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, O funkeiro caiu da varanda do 11º andar.

A morte do artista foi confirmada por agentes policiais. Kevin, que deu entrada no hospital em estado gravíssimo, foi submetido a duas paradas cardiorrespiratórias, mas não resistiu.

Testemunhas informaram que Kevin, que estava acompanhado da namorada, Deolane Bezerra, havia sido socorrido por uma ambulância e levado ao Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea.

Após ele dar entrada no centro médico, a Secretaria Municipal de Saúde havia informado que o estado de saúde do músico era grave: “O paciente Kevin Bueno deu entrada no Hospital Municipal Miguel Couto e seu estado de saúde é considerado muito grave”.

No sábado (15), o funkeiro se apresentou em uma balada e compartilhou momentos do show.

Polêmicas

O funkeiro já se envolveu em algumas polêmicas nos últimos anos. Em 2021, quatro policiais militares se sentiram ofendidos após publicações do cantor em redes sociais.

Em maio do ano passado, o músico foi alvo de uma denúncia de moradores do condomínio onde mora, em Mogi das Cruzes, por ter quebrado o isolamento social de prevenção ao coronavírus.

O condomínio registrou um boletim de ocorrência contra ele por infração às medidas sanitárias preventivas e perigo de contágio de moléstia grave.

Em junho de 2019, o músico foi preso em um hotel de Belo Horizonte por consumo de drogas. Um funcionário do hotel procurou a polícia por causa do cheiro de maconha vindo do apartamento 806, onde o funkeiro estava hospedado para um show.



Ao chegarem ao quarto, os policiais afirmam que o músico e um amigo dele, Hariel Bernardo Ribeiro, conhecido como MC Hariel, confessaram que estavam usando maconha e haxixe.

Os dois foram levados à Central de Flagrantes 3 (Ceflan) de BH e assinaram um termo circunstanciado (para crimes de menor potencial ofensivo), sendo liberados na sequência.

Créditos: G1 e Metrópoles