Search
Close this search box.

Gaúcha perde R$ 125 mil em golpe; Ainda: casal de estelionatários é preso e falsos curandeiros são condenados

Diego Camargo

Diego Camargo

Gaúcha perde R$ 125 mil no golpe do cartão clonado

Uma mulher de 61 anos, moradora de Venâncio Aires/RS, perdeu mais de R$ 100 mil no já conhecido golpe do cartão de crédito clonado. Na quarta-feira (19), uma mulher entrou em contato com ela, via telefone residencial, perguntando se ela havia feito uma determinada compra, no valor de R$ 2.500.
A mulher respondeu que não e então a estelionatária deu prosseguimento ao golpe. Se passando por funcionária da empresa responsável pelo cartão, pediu que a vítima fosse até um caixa eletrônico, que a orientaria como proceder.

Ao final do golpe, a vítima descobriu que havia perdido R$ 125 mil. Foram pagamentos via pix e outras transferência de valores que desapareceram da sua conta.

Fonte: Folha do Mate


Em Ijuí, mulheres aplicam golpe de R$ 7,3 mil em idosa

Em Ijuí uma idosa de 72 anos foi vítima do golpe do Bilhete Premiado. Ela foi atraída por duas mulheres na Rua Paraná, no Centro da cidade.
Uma das golpistas pediu uma informação de onde estava localizada a Casa da Cortina. A idosa disse não saber, no momento que uma outra falsária entrou na conversa. Esta disse que portava um bilhete premiado e deveria trocar num determinado lugar por R$ 12 mil, uma televisão e um rádio. Com a promessa de receber R$ 150, a idosa entrou num carro.

A golpista então parou num posto de gasolina e efetuou uma ligação e alterou a conversa: disse que havia ligado para a Caixa e que o prêmio era de R$ 1 milhão. Tal estelionatária ainda disse que precisava do extrato da conta da vítima. Após isso, ela teve acesso ao cartão e a senha da idosa e sacou R$ 3.570 e ainda realizou uma compra no valor de R$ 3.800.

A idosa percebeu o golpe quando recebeu uma ligação do Itaú informando que haviam realizado tal compra. No total, a vítima perdeu R$ 7.300.
A idosa, desesperada, procurou o Módulo da Brigada Militar, na Praça da República e foi orientada a registrar ocorrência na Delegacia de Polícia Civil.

Fonte: Rádio Progresso de Ijuí


Casal de estelionatários é preso em Concórdia

A Polícia Civil de Concórdia, por meio da Divisão de Investigações Criminais (DIC), em trabalho conjunto com a Polícia Militar, prendeu um casal de estelionatários que estavam no município para aplicar o Golpe do Cartão. O trabalho é resultado de uma troca de informações com a DIC de Tubarão e Brusque.
Conforme as informações, o casal de estelionatários é oriundo da cidade de São Paulo. Na manhã de segunda-feira, dia 17, na área central de Concórdia, os agentes da DIC e da PM localizaram o veículo com os objetos relacionados à prática do crime.

Com isso, os policiais deram voz de prisão, uma vez que contra os suspeitos já havia mandado de prisão expedido pelas comarcas de Tubarão e Brusque. Ambos foram encaminhados ao Presídio Regional de Concórdia onde vão permanecer à disposição da Justiça.
Os policiais verificaram, também, que os golpistas estavam com entorpecentes, sendo dois comprimidos de ecstasy. Assim os suspeitos foram enquadrados no crime de estelionato e posse de drogas.

Fonte: Atual FM


Falsos curandeiros são condenados ao lograr idosa em R$ 2 mil por trabalho espiritual em SC

Por induzir ao erro uma idosa de 64 anos com a promessa de retirar um “trabalho espiritual”, um casal teve a condenação pelo crime de estelionato confirmada pela 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em matéria sob a relatoria do desembargador Sérgio Rizelo.

A vítima foi obrigada a pagar a quantia de R$ 2 mil, no meio-oeste do Estado, mesmo sem ter autorizado qualquer serviço, ao arrepio de sua vontade. O casal foi condenado a dois anos de reclusão, substituídos por serviços à comunidade mais o pagamento de cinco salários mínimos cada um.

Segundo a denúncia do Ministério Público, uma mulher que se apresentava como “Indiazinha” abordou a idosa em sua residência. A acusada ofertou alguns remédios naturais em forma de ervas. Com uma conversa fácil, ingressou na casa e começou a dizer que a idosa era uma pessoa muito doente. Disse ainda que a residência abrigava uma magia maligna. Para resolver a suposta “macumba”, a vítima teria de pagar a quantia de R$ 2 mil.

Em determinado momento, ainda de acordo com o MP, a acusada pediu para a vítima fechar os olhos e, quando ela os abriu, havia uma quantidade de terra vermelha no local. Assim, a mulher disse que já tinha realizado o serviço e precisava receber. Sem a quantia em casa, a vítima foi conduzida ao banco pela “Indiazinha” e seu companheiro. Além da quantia em espécie, o casal ainda levou alimentos da casa da idosa.

Preso minutos mais tarde, o casal foi condenado e, por isso, recorreu ao TJSC. Ambos defenderam a absolvição com base na alegação de serem ciganos e terem seguido apenas suas tradições. Ressaltaram que a idosa foi quem demonstrou interesse nos seus serviços e nunca quiseram induzir a vítima em erro. Pleitearam a desclassificação do crime de estelionato para o de curandeirismo, além da devolução da fiança total de R$ 10 mil.

“A vítima foi induzida a erro e, por exercício de retórica da apelante (em conluio com o réu), levada a crer que todas as dificuldades de sua vida estavam ligadas a um tipo de trabalho espiritual negativo que fora feito contra ela. Nessa situação, não se pode falar em livre manifestação do desejo de ceder parte de seu patrimônio a representante de credo ou crença. Ao revés, há manifesta intenção de prejudicar a ofendida, com conduta ilícita e vedada pelo ordenamento jurídico”, anotou o relator em seu voto. A sessão também teve as manifestações da desembargadora Hildemar Meneguzzi de Carvalho e do desembargador Norival Acácio Engel. A decisão foi unânime.


MP/RS alerta para golpes contra prefeituras realizados usando nome da instituição

O Ministério Público alerta sobre um golpe realizado contra prefeituras através do WhatsApp . Em alguns estados, incluindo o Rio Grande do Sul, há registro de pessoas entrando em contato com as gestões municipais, identificando-se como promotores de Justiça e solicitando vantagens, como repasse de recursos financeiros ou uso de veículos oficiais.

O MPRS reforça que as comunicações oficiais são feitas pelo e-mail institucional (com o final @mprs.mp.br) ou por correspondência oficial.
Qualquer notificação que fuja desse modelo deve ser verificada diretamente nas Promotorias de Justiça, cujos endereços, telefones e e-mails constam no site ( https://www.mprs.mp.br/promotorias/). É possível acessar a relação de todas as comarcas do estado, bem como os nomes e contatos diretos dos integrantes da instituição.

Fonte: MP RS


Criminosos se passam por Promotores de Justiça para pedir dinheiro para pagar fiança

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) adverte para uma fraude que vem sendo praticada em municípios catarinenses por criminosos que estão se identificando como Promotores de Justiça para solicitar dinheiro a familiares de pessoas detidas em flagrante delito, para fins de pagamento da respectiva fiança.
Essa é uma prática ilegal, reafirmando-se que, em hipótese alguma, o Ministério Público ou qualquer um de seus membros ou servidores solicita a familiares, amigos ou de alguma pessoa próxima de alguém que esteja detido qualquer quantia ou valor em dinheiro, ou em outra forma de pagamento, para fins de pagamento de fiança.

Caso você seja contatado por alguém, procure imediatamente as Polícias Civil ou Militar de sua cidade para se inteirar sobre os detalhes dessa possível detenção e proceda o registro do caso para fins de instauração de investigação e identificação dos possíveis autores desse golpe.