Search
Close this search box.

Após mudanças do governo Lula, geladeira mais barata custará pelo menos R$ 4.000, prevê indústria

Taiana Camargo

Taiana Camargo

Após mudanças implementadas pelo governo Lula, a geladeira mais barata no Brasil custará pelo menos R$ 4.000. É o que prevê a Eletros (Associação Nacional dos Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos), que representa quase todo o setor no país.

O impacto ocorreria por causa de determinações que valerão a partir de 31 de dezembro deste ano, publicadas em resolução do Ministério de Minas e Energia.

De acordo com o documento, só poderão ser produzidos e importados refrigeradores que consumam no máximo 85,5% da energia disponível. Ainda, esse teto subirá gradualmente até 31 de dezembro de 2027, quando o limite terá o patamar de 90%.

Segundo a Eletros, a medida restringirá a quantidade de geladeiras oferecidas pelo mercado. Dessa forma, oito de cada dez (83%) não poderão mais ser vendidas. Assim, apenas os itens de alto padrão, com preço mínimo entre R$ 4.000 e R$ 5.000, estarão disponíveis nas lojas. Atualmente, o valor de entrada das geladeiras varia próximo a R$ 2.000.

“É necessário considerar a realidade brasileira. Infelizmente, com as novas regras, o consumidor de baixa renda será o mais prejudicado e, consequentemente, a indústria e seus colaboradores. Desinvestimentos e perda de centenas de postos de trabalho podem ocorrer nos próximos meses. Apresentamos ao governo estudos técnicos mostrando este cenário ruim para a economia do país; porém, infelizmente, não foram considerados”, analisa Renato Alves, diretor da associação.

A Eletros foi informada que os refrigeradores fora desse novo padrão terão o prazo de um ano para serem vendidos. Se não forem, terão de ser descartadas. Além disso, “a indústria vai parar de fabricá-las”, disse a organização à reportagem.

 

Fonte R7