Search
Close this search box.

Aconteceu no Brasil: pedreiro mata mulher e 3 filhos a marretadas

Diego Camargo

Diego Camargo

Um pedreiro de 42 anos assassinou a esposa e os três filhos na madrugada de ontem, terça-feira (15) em São Domingos do Norte/ES.

De acordo com a Polícia Militar, o autor dos crimes é Flávio Sandro Olmo. Após o crime, ele cometeu suicídio.

Peritos da Polícia Civil estiveram no local do crime durante a manhã.

As vítimas foram identificadas como Eusivania Marcelino de Souza, esposa de Flávio; Laisla de Souza Olmo, filha de 18 anos; Ítalo de Souza Olmo, filho de oito anos; e Anelise de Souza Olmo, de quatro anos.

Ainda segundo a PM, Flávio usou uma marreta para matar a família.

“O autor teria esperado a família dormir e com golpes de marreta executado a família. […] As informações de parentes é de que o casal estava se separando, não há nenhum registro de violência anterior ou mesmo passagem criminal do autor”, afirmou o tenente Gabrine de Andrade.

Os corpos foram encontrados pelo irmão de Flávio, que mora perto da casa onde aconteceram as mortes.

Ele contou à polícia que a sobrinha mais nova, Anelise, sempre passava na casa do tio antes de ir para a escola.

Como já eram 7h30 e a sobrinha não apareceu, o irmão de Flávio foi até a casa.

Segundo a Polícia Civil, não há mais detalhes a serem divulgados.

Fonte: G1/ES │ Fotos: Reprodução/TV Gazeta


Mulher que matou bebê e arrancou braços e pernas é denunciada

A 2ª Promotoria de Justiça Criminal de Sorriso/MT denunciou Ramira Gomes da Silva, de 22 anos, por homicídio triplamente qualificado do filho Brayan da Silva Otani, de quatro meses de idade, e ocultação de cadáver. O crime ocorreu no dia 14 de maio de 2021.

Conforme a denúncia do Ministério Público, a mãe agiu “imbuída de animus necandi (vontade de matar), impelida por motivação torpe, mediante meio cruel e com recurso que dificultou a defesa da vítima”.

As investigações policiais apontaram que Ramira desejava se mudar para outro estado, onde mora a mulher com a qual começou a se relacionar à distância, virtualmente. Para facilitar a mudança e viabilizar a própria relação afetiva, acreditando que o bebê fosse um empecilho para os planos dela (motivo torpe), a denunciada golpeou a face do filho com instrumento contundente, provocando-lhe a morte. Ela se aproveitou da fragilidade física e da incapacidade do menino de oferecer qualquer tipo de resistência ou autodefesa (recurso que dificultou a defesa), em contraste com o mais elementar sentimento de piedade (meio cruel).

Após o crime, Ramira da Silva destruiu e ocultou o cadáver do filho Brayan. De acordo com as investigações, a mãe amputou os quatro membros do corpo em cima da pia da cozinha da própria casa, acondicionou os braços e as pernas em potes e depositou-lhes numa lixeira. Na sequência, enterrou os restos do bebê no quintal da residência.

Atualmente, a denunciada está presa preventivamente na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá.

Créditos: Repórter MT